segunda-feira, janeiro 15, 2007

Alter..nativa?


A Coudelaria de Altér vai ser substituída por uma nova Fundação controlada pelo Estado e pelos Privados e que parece se chamará Fundação de Altér e que se constitui por fusão desta e da Companhia das Lezírias.
Do destino que se dará aos cerca de 80 empregados da Coudelaria e se as instalações continuarão, nada se sabe. A Coudelaria foi fundada em 1748, pertenceu à Casa de Bragança, e depois foi propriedade da Coroa Portuguesa. Com o derrube da Monarquia passou para a tutela do Estado e tem dado bom nome a Portugal.

10 comentários:

Leonardo de Melo Gonçalves disse...

A confirmar-se esta decisão, trata-se de mais um exemplo de como Portugal, que nem avião desviado, segue por uma rota que não é a sua.

O respeito pelo património histórico, por aquilo que constitui a face visível da identidade Portuguesa tem de ser mantido, custe o que custar e não podemos entrar na lógica mercantilista de julgar rentável ou não algo que tem em si valor simbólico.

Lembro que os governos Franceses e Italianos procederam recentemente à avaliação do património imobiliário do Estado e, aos monumentos de alto valor histórico foi-lhes atribuído a soma simbólica de 1 euro por cada - que nunca, jamais e em tempo algum serão vendidos por qualquer razão que seja.

Oxalá o governo de Portugal tivesse a decência de fazer o mesmo.

LUIS MIGUEL CORREIA disse...

Esta situação denota falta de respeito pelos legados do País e também muita ignorância. E infelizmente a ignorância ombreia com o atrevimento mais inconsciente...

Sailor Girl disse...

O Presidente da República terá sempre a possibilidade de não promulgar a «privatização» em apreço. Bastará que um grupo de cidadãos lhe dirija um requerimento «convincente». Aos poucos, não restará uma única «Jóia da Coroa».
Lisboa já é quase toda Castelhana. Basta olhar para as principais avenidas... para os escritórios de advogados que cá operam... está tudo dito.

E, como referi, o Presidente da República está na Índia.

garina do mar disse...

desde quando é que a Companhia das Lezírias é privada? desde que a D. Maria II vendeu os terrenos que a constituem a privados em 1836? ou desde que o Estado Português a nacionalizou em 1975?
que eu saiba nem sequer existe nenhuma intenção de a privatizar, antes pelo contrário! já esteve previsto pelos anteriores governos e parece-me que até foi este que decidiu que isso não ia acontecer..

daquilo que conheço, a Companhia das Lezírias é um sítio interessante, bem gerido!, onde os portugueses podem tomar contacto com a natureza e com os produtos da "terra"... e que vale a pena visitar e conhecer! e que tem também desde 1836 uma coudelaria que até funciona e por isso até terá valências para gerir a coudelaria de Alter... porque é que os nossos impostos têm que pagar dois concelhos de administração de duas entidades com funções semelhantes?

já agora, salvo alguma alteração que tenha entretanto existido, a tal fundação que vai ser criada, vai-se chamar "Fundação Alter Real"

o rural disse...

Peço imensa desculpa mas a Companhia das Lezírias só faz sentido numa perspectiva de socialização do Estado, em que este é detentor dos meios de produção. A CL, para além de ser uma das maiores explorações agrícolas existentes em Portugal e, portanto, ser uma das que mais usufrui das ajudas comunitárias à agricultura, também serve, hoje tal como ontem, para imensos "tachos" da rapaziada do costume. O que hoje temos, é uma herança de 1975, o que francamente não me agrada. Não faz qualquer sentido o Estado ser proprietário de terras... Não acham? E além disso... bem gerida??? Não me parece!!!

Sailor Girl disse...

Informo que usei o termo «privatização» em sentido amplo e em termos técnicos, de acordo com a Doutrina Clássica da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

mch disse...

Obrigado garina do mar por explicações e orientações. Alter Real Hummm... cheira-me a qualquer coisa :)

garina do mar disse...

é o nome que está no comunicado do conselho de ministros... podem sempre deixar cair o Real até à publicação!!
a CL faz sentido dado que uma grande parte da área é rede natura, com a possibilidade de vir a ser classificada como área protegida de nível superior, e sendo esta pelos vistos (já que com o PDR não se pode contar) a única maneira de a conservação dos valores e recursos naturais que lá estão ser "contratada" com os proprietários...

a memoria disse...

deixem laa...agora que o estado Portugues naao vai mandar...agora que vai ser privatizada a coudelaria, alguem a vai vender ao estrangeiro a seguir...tantos planos tantas causas com tantas inconseuqencias...enquanto alguns sabem tudo...praticam nada...tambem se podiam chamar blog da inconsequencia...erudita?...tanto a leziria como alter a coudelaria como simbolos jaa foram...e e de simbolos que estamos a tratar...se naao entreguem a uma ong para garantir que somos ainda mais roubados.

s.o.s. disse...

fundaccao!? cheira-me a esturro...vejam nos membros da fundacao o privativo e os tansos(ou que vao lucrar por outra das muitas vias) do costume...camaras e etc.....que o privativo ee quem quer fazer e vai executar o negocio...ha tantas fundacoes por aii assim...tantas...enfim mais outro simbolo que se vai...mas haa sempre um pessoal da moita...humildes mas tenazes e nao precisam de licenca para fazer...fazem