quarta-feira, abril 04, 2007

Portugal vale a pena!


Eu conheço um país que tem uma das mais baixas taxas de mortalidade de recém-nascidos do mundo, melhor que a média da União Europeia. Eu conheço um país onde tem sede uma empresa que é líder mundial de tecnologia de transformadores. Mas onde outra é líder mundial na produção de feltros para chapéus. Eu conheço um país que tem uma empresa que inventa jogos para telemóveis e os vende para mais de meia centena de mercados. E que tem também outra empresa que concebeu um sistema através do qual você pode escolher, pelo seu telemóvel, a sala de cinema onde quer ir, o filme que quer ver e a cadeira onde se quer sentar.
Eu conheço um país que inventou um sistema biométrico de pagamentos nas bombas de gasolina e uma bilha de gás muito leve que já ganhou vários prémios internacionais. E que tem um dos melhores sistemas de Multibanco a nível mundial, onde se fazem operações que não é possível fazer na Alemanha, Inglaterra ou Estados Unidos. Que fez mesmo uma revolução no sistema financeiro e tem as melhores agências bancárias da Europa (três bancos nos cinco primeiros). Eu conheço um país que está avançadíssimo na investigação da produção de energia através das ondas do mar. E que tem uma empresa que analisa o ADN de plantas e animais e envia os resultados para os clientes de toda a Europa por via informática.
Eu conheço um país que tem um conjunto de empresas que desenvolveram sistemas de gestão inovadores de clientes e de stocks, dirigidos a pequenas e médias empresas. Eu conheço um país que conta com várias empresas a trabalhar para a NASA ou para outros clientes internacionais com o mesmo grau de exigência. Ou que desenvolveu um sistema muito cómodo de passar nas portagensdas auto-estradas. Ou que vai lançar um medicamento anti-epiléptico no mercado mundial. Ou que é líder mundial na produção de rolhas de cortiça. Ou que produz um vinho que “bateu" em duas provas vários dos melhores vinhos espanhóis. E que conta já com um núcleo de várias empresas a trabalhar para a Agência Espacial Europeia. Ou que inventou e desenvolveu o melhor sistema mundial de pagamentos de cartões pré-pagos para telemóveis. E que está a construir ou já construiu um conjunto de projectos hoteleiros de excelente qualidade um pouco por todo o mundo.
O leitor, possivelmente, não reconhece neste País aquele em que vive – Portugal. Mas é verdade. Tudo o que leu acima foi feito por empresas fundadas por portugueses, desenvolvidas por portugueses, dirigidas por portugueses, com sede em Portugal, que funcionam com técnicos e trabalhadores portugueses. Chamam-se, por ordem, Efacec, Fepsa, Ydreams, Mobycomp, GALP, SIBS, BPI, BCP, Totta, BES, CGD, Stab Vida, Altitude Software, Primavera Software, Critical Software, Out Systems, WeDo, Brisa, Bial, Grupo Amorim, Quinta do Monte d’Oiro, Activespace Technologies, Deimos Engenharia, Lusospace, Skysoft, Space Services. E, obviamente, Portugal Telecom Inovação. Mas também dos grupos Pestana, Vila Galé, Porto Bay, BES Turismo e Amorim Turismo. E depois há ainda grandes empresas multinacionais instaladas no País, mas dirigidas por portugueses, trabalhando com técnicos portugueses, que há anos e anos obtêm grande sucesso junto das casasmãe, como a Siemens Portugal, Bosch, Vulcano, Alcatel, BP Portugal, McDonalds (que desenvolveu em Portugal um sistema em tempo real que permite saber quantas refeições e de que tipo são vendidas em cada estabelecimento da cadeia norte-americana).
É este o País em que também vivemos. É este o País de sucesso que convive com o País estatisticamente sempre na cauda da Europa, sempre com péssimos índices na educação, e com problemas na saúde, no ambiente, etc. Mas nós só falamos do País que está mal. Daquele que não acompanhou o progresso. Do que se atrasou em relação à média europeia. Está na altura de olharmos para o que de muito bom temos feito. De nos orgulharmos disso. De mostrarmos ao mundo os nossos sucessos – e não invariavelmente o que não corre bem, acompanhado por uma fotografia de uma velhinha vestida de preto, puxando pela arreata um burro que, por sua vez, puxa uma carroça cheia de palha. E ao mostrarmos ao mundo os nossos sucessos, não só futebolísticos, colocamo-nos também na situação de levar muitos outros portugueses a tentarem replicar o que de bom se tem feito. Porque, na verdade, se os maus exemplos são imitados, porque não hão-de os bons serem também seguidos?
Nicolau Santos, Director – adjunto do Jornal Expresso
na Revista Exportar

9 comentários:

Gui disse...

Pois é meu caro, mas eu também conheço um país onde a corrupção geral, um país que tem governantes incompetentes que metem a mão no bolso dos contribuintes, um país que fecha escolas, hospitais, maternidades, urgências hospitalares, centros de saúde, um país quecujos des(governantes) lamentam que os portugueses estejam a viver mais tempo, um país que ataca os seus pensionistas querendo reduzir-lhe as suas pensões, um país que dificulta o acesso dos soentes mais pobres aos medicamentos, um país que previligia a caça à multa em detrimento da prevenção rodoviária, um país cujos (des)governates obrigam o povo a apertar o cinto enquanto eles alargam o deles, ( e dos amigos), em muitos furos. Um país que teima gastar uma fortuna incalculável para construir um aeroporto num local impróprio e desaconselhável para o efeito, vá lá saber-se porquê. Um país que...etc.etc.etc.
Infelizmente os bons exemplos são apenas pequenos oásis no desrto que é Portugal.

garina do mar disse...

em todo o lado há coisas boas e coisas más! porque é que se há-de puxar sempre para o lado das más?
apesar de ser um texto antigo este é daqueles que é bom ir relembrando!

averaviooes disse...

esses bons e maus exemplos juntos daao uma poleemica do copo meio cheio e do copo meio vazio. O melhor para sair dessa poleemica ee perguntar se os bons exemplo todos somados daao um fio condutor e outro tanto sobre os maus

s.o.s. disse...

Qual história!!!...pensam sempre igual!!!!...que enfado...o copo é que é grande demais!!!quem desenhou o copo não sabe, que o objecto é para a função...por isso ... nem está meio cheio, nem meio vazio...é um desperdício ter feito o copo com o dobro do tamanho que devia ter!

Anónimo disse...

Brilhante ideia a comemoração dos 100 anos do Regicidio. Como é habitual o PSD, a Assembleia da Republica e o Sr. Cavaco dão também a sua contribuição pondo um dos mentores dos assassinos o sr. Aquilino Ribeiro na Panteon Nacional.
Mas dos monárquicos nem um protesto...

Leonardo de Melo Gonçalves disse...

Caro Gui,

Se ler atentamente o post, verá que estes pontos positivos que caracterizam Portugal vêm da sociedade civil, do país real.

Não posso deixar de reparar que os pontos negativos que o Gui enumera e que atribui ao "país" são na realidade responsabilidade do "Estado" senão apenas do "governo".

Há-que fazer essa distinção. Se todos a fizéssemos, a tal auto-estima de que tanto se fala seria bem mais forte. Portugal está bem; o Estado, porém, está, qual nave espacial, despegado da realidade do país e aqui começam quase todos os problemas que menciona.

mch disse...

O protesto contra Aquilino Ribeiro ser colocado no Panteão nacional não deveria ser dos monárquicos mas dos Portugueses. Colocar um regicida ao lado de Amália Rodrigues, João de Deus, Almeida Garrett Guerra Junqueiro e dos Presidentes da República portugueses Manuel de Arriaga, Teófilo Braga, Sidónio Pais e Óscar Carmona é de facto um grande erro. Para dizer a verdade é uma manobra preventiva perante o centenário do regicídio. E explico porquê.
A família de Sofia Mello Breyner, próxima do Paço tem documentação sobre o caso. E a própria Sofia disse aconhecido meu em comentário a livro que ele escreveu que o Aquilino esteve no Terreiro do Paço com um revólver e tal facto fora do conhecimento internacional. A família Breyner decidiu não incluir essa informação no livro de memórias do avô… E depois rematou: - «Porque é que acha que nunca lhe deram o Nobel? Eles sabiam que ele participou no Regicídio e a sociedade não dá prémios Nobel a assassinos»
Todos os dados comprovam que Aquilino era um anarquista envolvido nos complots de 1907 e 1908 para a mudança de regime e existem numerosos documentos publicados, nomeadamente nos Documentos encontrados nos Paços reais após o 5 de de Outubro, de 1915, e em Arquivos particulares.
Resumindo . è um segredo de Polichinelo que Aquilino participou no conjura do regicídio mas, como escreveu o insuspeito José Gomes ferreira, seu amigo, ele soube "mentir a verdade" nas suas Memórias de "Um Escritor Confessa-se" ludindo até quye ajudou O costa regicida a escrever um folhetim contra D. Carlos chamado "A Filha do JArdineiro" e possivelmente ajudou Antonio de Albuquerque a escrever o escrito pornográfico "A Marquesa da BAcalhoa". Tusdo isto é um pouco sórdido e nos cinco anos ede exílio em PAris de 1908 a 1913 ele tentpou apagar estes esqueletos no sótão, esquecendo que memória é mãe da verdade. talvez o melhor seja colocar em ordem estas notas ao correr da pena, com citações e aqui mesmo no Blog. MAs insisto. A questão é dos portugueses e não é só dos monárquicos e segundo Sofia Melo Breyner é mesmo da comunidade internacional que se dá ao respeito.

Anónimo disse...

Ah sim? Muito me apraz saber que a canalha republicana que governa (ou desgoverna) o País desde 1910 continua a cuspir na cara dos Monárquicos e dos Portugueses de boa fé, com o mesmo ímpeto com que cuspiu no caixão do Rei Dom Carlos durante o Funeral de Estado do Rei, em 1908. Aquilino Ribeiro, um suspeito regicida vai para o panteão... Já agora esperemos que a Assembleia da Republica tenha a coerência de fazer o mesmo a Buiça e Costa, para que o Povo fique com a certeza do carácter de trampa dos governantes da republica que tem!
L Guerreiro

mch disse...

Entretatno já houve reacções à provocação de colocar um terrorista como Aquilino no Panteão NAcional